CONVIDE O PROBLEMA PARA PARTICIPAR DA SOLUÇÃO

 

Ayrton Sérgio Rochedo Ferreira

 

É comum encontrarmos nas empresas pessoas com baixo desempenho e gestores que fazem repetidamente as mesmas reclamações, sem sucesso: “explico-lhes detalhadamente o que quero que façam e, mesmo assim, não fazem certo!”.

 

Este parece ser o testemunho desanimador de um problema sem solução.

 

Na história do trabalho humano são tantos milhares de anos dando ordens para obter o que se deseja que quando a máxima “mandar - obedecer” deixa de funcionar provoca em nós perplexidade, frustração e irritação. Logo classificamos como rebeldes ou ignorantes aqueles que nos contrariam, atribuindo somente a eles o problema. Definitivamente, o ego do gestor moderno ainda é ferido pela decepção da contrariedade, tal como ocorria com os feitores no trabalho escravo ou forçado.

 

No entanto, se o empresário ou gestor se dispuser a fazer um trabalho participativo com os integrantes de sua equipe, convidando-os a discutirem as razões de seus comportamentos, a expressarem suas opiniões sobre a forma como ele os chefia e encorajá-los a sugerirem as mudanças que considerem importantes em seus ambientes funcionais, poderá se surpreender com os resultados: uma boa parte, senão todos os que julgava relapsos, desinteressados e com pouca responsabilidade, demonstrarão disponibilidade e motivação para discutirem os problemas e darão contribuições valiosas para resolvê-los com aplicação.

 

A idéia que fica da experiência é que essas pessoas pareciam estar anestesiadas e nós as despertamos quando as convocamos para resolver conosco um problema que julgávamos estar sendo causado por elas próprias.

 

Convidar o problema para participar da solução pode parecer uma estratégia impensável na perspectiva da autoridade prepotente, que se obriga a resolver sozinha o que a aflige.  Mas quando se tem a capacidade de envolver pessoas, dando-lhes poder para tomarem parte nas soluções que buscamos, mesmo que as consideremos a causa dos problemas, mobilizamos suas energias para a construção de um valioso atributo em equipe: a participação.

 

Durante a maior parte da história do mundo empresarial, bastou-nos a obediência dos subordinados para produzir o volume de produtos e serviços necessários e fazer os números acontecerem. A concorrência era menos severa, os clientes muito menos exigentes, as cargas fiscais e sociais muito menores, as regulamentações ecológicas quase nulas e, assim, os custos da indústria e dos serviços eram muito mais baixos por unidade produzida. Para nos mantermos no mercado bastava a produtividade arrancada das pessoas pela boa e velha autoridade. Um par de mãos e um par de orelhas nos atendiam.

 

O que mudou, de lá para cá, no entanto, não foram as pessoas, mas o nível de contribuição que precisamos receber delas, para o sucesso de nossos negócios.

 

A partir da segunda metade do século XX a atividade produtiva passou por drásticas transformações:

 

  • O mundo civilizado prosperou com a ajuda da ciência e adicionou milhões de novos consumidores ao mercado produtor de bens e serviços.

  • Aumentou o interesse da indústria por uma base de clientes cada vez maior e a concorrência tornou-se muito mais acirrada.

  • A sociedade e o estado passaram a marcar mais pesadamente os preços sociais e fiscais nos custos das unidades produzidas.

  • O mercado aumentou, não só em volume, mas também em diversidade e alternativas.  

  • O trabalhador de hoje dispõe de muito mais opções de trabalho do que dispunha no passado, a despeito da quantidade de postos oferecidos.

 

Neste novo cenário a boa e velha autoridade tornou-se ainda mais velha, mas deixou de ser boa para atender à nova demanda que se desenhou: aumentar e sustentar a produtividade para fazer frente a uma economia mais cara, mais regulamentada, mais competitiva e com maior diversidade de ocupações.

 

Por isso, o modelo tradicional de gestão baseado somente na autoridade, herança de tantos séculos, começou a dar sinais de esgotamento e não consegue mais produzir o desempenho que nossos negócios precisam para serem sustentáveis.

 

Além da autoridade, empresários e gestores precisam agora construir propósitos coletivos, por meio de participação, para obterem desempenho e produtividade das pessoas.

 

A construção de propósitos é uma ação educativa e transformadora, que adiciona significado e sentido ao trabalho das pessoas, tornando-as parte realizadora e interessada de um empreendimento, ao invés de somente parte obediente e interessada na remuneração do trabalho.

 

Vale uma dica: não adianta começar pensando na velha e gasta participação financeira por resultados. Se não soubermos ajudar as pessoas a encontrarem significado e realização no trabalho que executam sob a nossa liderança, não será o dinheiro adicionado ao salário que resolverá. Boas mesadas não fazem filhos amarem suas famílias, nem serem dedicados ao convívio com os pais.

 

Rio, fevereiro de 2015

  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

Endereço: Av.Hildebrando de Araújo Góes, 55/805 - Bl. 1- Rio de Janeiro, RJ 22793-250

 (21) 2431-2629  ou  (21) 99917-9785